Custom Bg

Por Julia Marx

Na semana passada, demos continuidade ao tema, "transtorno de linguagem" e abordamos os aspectos da dislalia.

Segue considerações finais:

A dislalia é um dos transtornos que se apresentam com maior frequência nas crianças. Um transtorno na articulação dos fonemas, que faz com que as crianças pronunciem incorretamente os fonemas ou grupos de fonemas. Quando as crianças começam a pronunciar as primeiras palavras, é normal que não o façam corretamente, no entanto, quando a idade avança, a linguagem deveria ser aperfeiçoada e a criança deveria melhorar sua pronúncia. Mas nem sempre isso ocorre, e são fundamentalmente, as instituições educativas que detectam este transtorno. Com um adequado tratamento, a dislalia apresenta grande melhoria sendo muito positivo. Vamos a considerações importantes sobre a dislalia.

Consulte o uma equipe multidisciplinar para um adequado diagnóstico, já que a dislalia pode ser um sintoma associado a outro tipo de transtorno. É importante que a família possa estimular a criança para que possa corrigir a dislalia. Fale com a criança olho no olho, ensinando-lhe com paciência e tranquilidade a diferença entre os diferentes sons.

Evite sempre a linguagem infantil, comunique-se com uma linguagem adequada à sua idade. É importante que lhe transmita sempre tranquilidade e segurança a todo momento.

Exercícios. O especialista que trata do menino deve indicar uma série de exercícios importantes. Você deve acompanhá-lo e ajudar nesse processo para ter um resultado positivo. Dedique-lhe uma parte do dia para realizar os exercícios com dedicação e afeto.

Jogos. Existem vários jogos que podem contribuir com o tratamento da dislalia. Os jogos de sopro e de mobilidade da língua e lábios contribuem para esse propósito. Por exemplo, imitar sons de animais, fazer bolha de sabão, atirar beijos no ar, entre outras. Ensine-lhe também exercícios de respiração.

Aprendizagem. Como complemento ao tratamento e como forma de tornar mais dinâmica a aprendizagem da criança, use outros recursos como música, rimas, leitura de contos, fazer adivinhações, entre outros. Deste modo, facilitará o envolvimento da criança no tratamento.

Este artigo é meramente informativo, consulte uma equipe multidisciplinar.